Skip to main content
blog_8ps_thumb_2013_uma-maneira-diferente-de-criar-artigos-persuasivos_900x500_01

Uma Maneira Diferente de Criar Artigos Persuasivos

cta_8ps_livro_cta_pequeno_shortcode_01

Uma das maneiras mais escolhidas para começar no meio digital é o bom e velho blog. Muitas pessoas escolhem uma plataforma (blogger ou wordpress) e começam a personalizar uma página de acordo com a sua vontade.

A grande maioria desiste nos primeiros dias (ou meses) pelo fato do blog não ter visitas ou não ser lucrativo.

Um dos maiores motivos de um blog não ser lucrativo é a falta de artigos persuasivos, ou seja, chamadas para vendas de alguma coisa (serviços, infoprodutos, cursos, palestras e etc).

Não sei como você cria seus artigos hoje, mas existem alguns elementos que, basicamente, todos os blogueiros de sucesso utilizam para gerar resultados através de seus site.

E quero ensiná-los para você nesse artigo. Vamos lá?

Antes de mais nada, o seu artigo deve ter um objetivo único. Ou seja, se você quer capturar e-mails, faça apenas isso. Se você quer vender um serviço, faça apenas isso. Tenha um objetivo claro em mente e trabalhe apenas nele.

Resolva Problemas Específicos

Analisando algumas publicações, é possível ver que existe um erro muito comum na construção de artigos. Como tudo na vida, você precisa resolver problemas específicos.

Quando estiver pensando sobre o que escrever, analise as dores do seu público-alvo. Para quem é o seu conteúdo e qual problema você vai ajudá-lo(a) a resolver? Lembre-se disso e cumpra o seu objetivo até o fim.

Leitura Fácil e Agradável

Quando estamos escrevendo na Internet, devemos ser o mais claro e objetivo possível. Nossa escrita deve ser bem fácil de ser lida.

Por exemplo, quando usamos termos muito técnicos como “você deve criar uma landing page otimizada”, você acaba, automaticamente, excluindo as pessoas que não sabem o que é isso.

Procure sempre utilizar palavras de fácil entendimento (para que qualquer pessoa consiga interpretar a sua mensagem) e nunca utilizar termos técnicos.

Você até pode utilizar os termos técnicos, contanto que explique e deixe claro para que aquela pessoa saiba o que é.

Em relação aos parágrafos, procure sempre escrever parágrafos curtos de até 3 linhas, no máximo. Nós, seres preguiçosos, iremos desistir de ler um artigo (mesmo que o conteúdo seja fantástico), se nos depararmos com parágrafos extensos.

Pessoas Amam Boas Histórias

Pessoas amam histórias e essa foi a forma utilizada, desde sempre, para passar conhecimento de geração para geração.

Desde que éramos crianças, uma ótima maneira para prender a nossa atenção era, justamente, contando/lendo uma história (a minha preferida era a do Moby Dick).

Os livros e os filmes também fazem isso o tempo todo.

Agora pense: será que, se não fosse tão eficaz, veríamos tantas histórias sendo contadas o tempo todo?

Se essa é uma “receita do sucesso”, nada de errado em aplicá-la aos seus artigos. Conte histórias, trabalhe com a curiosidade das pessoas e as envolva para que elas queiram descobrir algo a mais. Faça com que elas fiquem “desesperadas por mais”.

Além disso, histórias nas quais você está envolvido acrescentam o sentido de experiência e vivência. “Você sabe do que está falando porque viveu isso”.

  • O mais importante da história, contudo, é criar um laço de semelhança com o leitor;
  • Esse laço, após criado, tende a se fortalecer ao longo do seu artigo;
  • É como se a pessoa se enxergasse em você e te visse como ela após ter a sua dor resolvida;
  • Nesse sentido, “VOCÊ É ELA TRANSFORMADA NO FUTURO”.

Antes de continuar o artigo, devo avisa-lo que na área de membros do 8ps.com, temos uma aula sobre artigos que convertem. Se você deseja assistir essa aula, clique aqui.

Prova Social

Quando vemos alguma coisa na Internet (em qualquer lugar, na realidade), queremos saber se aquilo é, realmente, verdade.

Por exemplo, quando eu me apresento para algum cliente e ofereço meus serviços, falo dos resultados que eu já gerei e do que fui capaz de fazer…as pessoas até acreditam, mas o que 100% delas me dizem é: “Você pode me apresentar seus clientes atuais?”.

Isso significa que elas precisam ter a prova, alguém real dizendo que aquilo realmente funciona.

Quando você está criando um artigo persuasivo e quer que a pessoa tome uma ação, você precisa deixá-la mais confortável, fazer com que ela se sinta 100% segura de que aquilo funciona e é real.

Como fazer isso é bem simples: mostre resultados reais de pessoas que aplicaram o método, mostre os comentários positivos a respeito do que você tem a oferecer, etc.

Opte sempre por colocar imagens das pessoas ou vídeos. Apenas os textos podem ser facilmente forjados. Quanto mais credibilidade a sua prova mostrar, melhor.

Imagens Valem a Pena?

Um artigo que tenha somente texto pode não ser tão eficaz quanto um artigo que contenha imagens bem trabalhadas.

As imagens ilustram aquilo que a pessoa está imaginando.

Nosso cérebro tende a se identificar mais com imagens e com a combinação texto/imagem.

Por exemplo, se você está falando sobre como a vida através do empreendedorismo é mais feliz, como você pode passar mais tempo com a sua família etc., imagine se você publicasse próximo a esse parágrafo uma imagem que mostrasse exatamente isso?

Automaticamente a pessoa já adquiri aquele sentimento, aquilo se torna uma verdade absoluta na cabeça dela.

Coloque imagens bem trabalhadas e que despertem sentimentos de acordo com o seu texto. Fique atento ao excesso, estamos falando de imagens estratégicas.

Chamadas para Ação (CTA’s)

Nada do que você aprendeu até agora fará sentido se você não tiver boas chamadas para ação. Elas são aquele “empurrão final” para que o seu leitor tome uma ação desejada.

Essa é a hora em que você escreve, exatamente, aquilo que seu público precisa ler, para que ele tome uma ação.

Por exemplo, vamos imaginar o público que quer aprender a utilizar o Facebook para divulgar sua pequena empresa: “Descubra 3 Técnicas que Fizeram minha Empresa Gerar R$9.169,64 em 14 dias utilizando o Facebook (Você pode fazer o mesmo para sua empresa)”.

A pessoa que tem o desejo de aprender a utilizar o Facebook para negócios, provavelmente, ficaria mais tentada a clicar nessa chamada. Se você não sabe como criar chamadas, não tem problema. O Neil Patel ensinou um passo-a-passo bem legal em seu site.

Lembre-se: não importa quão boa seja a sua chamada na sua cabeça, não é pra você que ela tem que ser boa. Ela deve ser FANTÁSTICA para o seu público.

Ofereça algo de Valor

Se você quer que a pessoa tome uma ação (conforme você aprendeu), nada mais justo do que oferecer algo que realmente vá transformar a vida dela.

Sabe aquela sensação frustrante de quando você compra algo (independente do valor) e aquilo não supera as suas expectativas? É exatamente isso que você não deve causar nos seus leitores.

Você pode fazer as chamadas mais fortes que quiser, desde que seu material seja capaz de resolver aquilo que você anunciou.

Se eu faço uma chamada “Descubra Como Ganhar um Camaro 2015 Dormindo 10 horas por Dia” e ensinar a pessoa a andar de bicicleta, eu terei um grande problema. Certo?

Infelizmente, muitas pessoas do mercado digital cometem esse erro. Tome cuidado com as suas promessas e lembre-se que, do outro lado, não é só mais um e-mail e sim uma pessoa que tem desejos e confiou em você (e na sua promessa).

Conclusão

Esses são alguns elementos que farão toda a diferença para o seu artigo persuasivo ser capaz de converter muito mais pessoas do que converte hoje.

Essa técnica é muito utilizada no mercado americano e os grandes especialistas de Internet Marketing já têm feito enormes resultados com ela. Por que não aplicá-las aqui também?

Como você tem feito artigos hoje e quais são os elementos que você utiliza para obter melhores conversões?

 

cta_8ps_livro_cta_grande_shortcode_01

[u1m]
[u1m]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]
[CDATA[ */ function read_cookie(a) { var b = a + "="; var c = document.cookie.split(";"); for (var d = 0; d < c.length; d++) { var e = c[d]