Skip to main content

Títulos De E-mails: Você Me Convenceria a Clicar Nos Seus?

Talvez isso não tenha passado pela sua cabeça, mas UMA LINHA é um fator determinante para identificar um e-mail que converte e que, realmente, funciona.

Uma linha? Como assim?

Se você percebe que as taxas de abertura do seu e-mail estão baixas ou oscilando muito…preste atenção em algo que ninguém dá importância: o título dos seus e-mails!

Nem mesmo os leitores dos seus e-mails sabem, mas o título que você escolhe para os e-mails que você envia é o que determina se eles serão abertos ou não…

Recentemente uma reportagem, publicada originalmente na “Entrepreneur“, Constable lista o   que empreendedores devem fazer para fazer seus clientes (e consumidores em potencial) abrirem seus E-mails.

Existem pessoas que defendem que a prática de mandar E-mails em massa é muito cara, afinal, você precisa investir em algumas ferramentas para disparar as mensagens em grande escala, também existem muitas pessoas que acreditam que só serve para irritar os clientes.

Acontece, que se utilizada da maneira correta, ou seja, não utilizar o recurso em excesso, ele pode ser um grande ativo para a sua empresa.

Veja algumas dicas que a matéria trás para você poder aplicar nos seus negócios:

1 – Teste o que dá certo para a sua lista

michelpost

Como  qualquer coisa no mundo dos negócios , há uma série de conselhos que podem ser bons ou ruins. A melhor maneira de descobrir o que pode funcionar para o seu negócio é fazer testes constantemente.

Para obter o melhor da sua lista , teste o(s) dia(s) que você envia os seus E-mails . Teste a hora do dia,  as linhas de assunto e até mesmo o modelo que você usa. Leve o tempo que você precisar, esses testes vão te ajudar a medir o engajamento da sua lista e ver o que pode dar certo ou não.

2- Entregue conteúdo exclusivo e acessível

Seu teste será inútil se você não fornecer conteúdo valioso. “Conteúdo de valor” podem ser interpretados de maneiras diferentes, mas , em geral , significa dar as suas estratégias de audiência , dicas e táticas que pode ajudá-los a alcançar seus objetivos. Dê-lhes o conteúdo que você não compartilhar com frequência. Faça com que ele se sinta como alguém que faz parte de um clube especial que os ajuda a resolver o problema.

3 – Saiba a hora certa de entregar conteúdo e fazer a venda

As pessoas não costumam gostar do empresário que vem com promoções constantes. Tem de haver um equilíbrio entre a entrega de valor livre e venda .  Seu conteúdo livre demonstra que você sabe o que você está falando e mostra que o conteúdo pago vai ajudá-los a dar os próximos passos . Se você sair como o comerciante spam seus E-mails serão enviados para a pasta de lixo eletrônico (isso se não forem direto para a caixa de Spam).

4 – Não trate as pessoas como se elas fossem apenas um número

Um grande erro dos empresários é tratar os seus clientes potenciais como se eles fossem um número. Falo em todo o mundo para as empresas sobre o tema da autenticidade. As pessoas podem dizer o que é real e o que é falso. Mostre às pessoas que você as valoriza e elas vão fazer negócios com você.

5 – Deixe os seus resultados falarem por si

Marketing de resultado é a melhor forma de marketing. Quando você mostra os seus resultados, as pessoas tendem e tomar uma decisão de compra. Quando você mostra que aquilo que você está dizendo funciona, e está funcionando para outras pessoas também, leads se transformam em clientes.

Construa uma lista de pessoas que estão interessadas em você e na sua empresa. Adicione valor e vender para eles, mas apenas de vez em quando. Seu negócio vai aumentar, e essa lista se tornará sua melhor ferramenta de marketing. 🙂

Depois de ter lido essas dicas incríveis, você provavelmente deve estar “se coçando” e pensando que quer começar logo. Se quer começar fazendo testes, como a reportagem da “Entrepreneur” aconselha, então vou te dar uma dica: comece pelos títulos dos seus E-mails.

Será que eles são atrativos? Será que você me convenceria a abrir os seus? 

shutterstock_272455511

Há quem insista em dizer que o primeiro parágrafo é a parte mais importante de um e-mail… e eu posso até concordar, mas com uma ressalva:

O primeiro parágrafo é o mais importante de um e-mail, desde que a pessoa já tenha aberto ele.

Será mesmo???

A maioria das pessoas gastam muito tempo pensando no que escrever, no que adicionar ao “ps”, no fim do e-mail, e até em que momentos colocar um link com uma chamada para ação (CTA).

Por fim, quando vão salvar o e-mail, uma tela aparece dizendo: “O seu e-mail está sem título, defina um antes de salvá-lo”

“Ah, droga, esqueci do título” – rapidamente escreve uma frase qualquer e “BUM”! Mais um e-mail jogado no lixo…

Essa situação lhe soou familiar?

É uma pena imaginar que um e-mail que poderia ajudar centenas de pessoas, tão bem escrito, e até gerar uma certa receita, seja descartado, assim, tão rapidamente.

Apenas porque o “copywriter” por trás do e-mail não se deu o trabalho de escrever um bom título.

Por favor, não faça mais isso. Por mim e por todas as pessoas que recebem seus e-mails.

Enquanto estava pensando nas dicas que daria aqui hoje, tentei ao máximo fugir do óbvio e do que você encontra por aí, mas uma dica eu tive que manter. Você saberá qual é perto do fim do artigo.

Vamos lá, então:

Como escrever títulos de e-mails que serão abertos imediatamente.

1- Evite uma comunicação empresarial

Você gosta de receber e-mails de empresa? A não ser um e-mail do Hotmart de “Compra Realizada” :P, não conheço ninguém que goste de receber e-mails corporativos.

“Newsletter nº 74”;

“Nova newsletter”

“Boas Festas”

“Temos um presente para você”

“Aproveite nossa promoção”

“Dia dos pais – homenagem”

Ahhhhrg, que nojo!!!

Sinceramente, eu fico arrepiado ao receber e-mails assim.

E fico triste só de pensar que centenas de e-mails como esse são enviados direto para a lixeira todos os dias.

E-mails que gastaram o tempo de alguém para serem escritos e, no mínimo, deveriam ter alguma informação interessante.

E afinal, por que isso acontece?

Simples. Não criamos empatia com uma empresa. Nós somos seres humanos e criamos empatia com outros seres humanos.

Já parou para pensar em por que, apesar das escolas de inglês estarem muito ativas por aí, aqueles cursos de inglês, que estão sempre muito quentes no Hotmart, vendem tanto? Durante MUITO tempo?

Porque quem faz a comunicação daqueles cursos é uma pessoa, e não uma empresa.

Logo, a identificação gerada é muitas vezes maior. O ser humano, mesmo que na tela do computador, é muito menos frio e impessoal do que uma empresa, que têm sede aí no seu bairro.

Uma empresa com muros, grades e cercas elétricas que intimidam quem passa perto.

Pense: você abre a sua caixa de entrada e lá está, um e-mail do seu amigo Pedro, um e-mail de resposta da sua irmã, outro e-mail do seu colega do trabalho e, ainda, outro do Carrefour.

Qual você abrirá primeiro?

O primeiro eu confesso que não sei, mas o último certamente será o do Carrefour. Isso é, se você não deletá-lo antes.

Faz sentido?

E será que é possível enviar e-mails que serão abertos? MESMO sendo uma empresa?

SIM! E o Spotify dá um show nisso…

Veja esses exemplos:

Spotify

Olha só que interessante…

Eu sei que é uma empresa que está querendo me vender alguma coisa. Vender uma assinatura para ser mais preciso…

A chance de abrirmos um e-mail, no qual nós sabemos que há alguém querendo nos vender alguma coisa, é quase zero. E então, como inovar?

Veja o quão atrativo são os títulos dos e-mails:

“Você é o artista da capa da nossa nova playlist”

“99 razões para sorrir”

“Divirta-se com o Premium…”

E uma atenção especial para esta:

“Presenteie-se com o Premium por apenas R$ 1,99!”

Pense nisso… Eu escuto Spotify quase todos os dias e aquelas propagandas me incomodam um pouco. Uma hora ou outra eu começo a pensar – e eles sabem que todos nós vamos pensar isso:“Será que vale a pena assinar esse serviço?”

E a cada propaganda eu penso isso, até que… chega um e-mail em minha caixa de entrada com o seguinte título:

“Presenteie-se com o Premium…” – como quem diz: “Ei, talvez você mereça isso, sim… mais do que você imagina” ou “Você aí, que está pensando se vale ou não a pena… abra esse e-mail”

Bem, resolvo abrir o e-mail e dou de cara com um banner com esse escrito:

spotify 2

“BAM”!!!

Consegue perceber o quanto isso complementa o que eu estava pensando – o que estava dentro da minha cabeça?

Como se eles estivessem, realmente, conversando comigo.

Primeiro eu penso: “nossa, que propagandas chatas, será que vale a pena assinar esse negócio??? É claro que eu consigo pagar por isso… mas… ah, não sei não!”

Daí, eles me dizem no título do e-mail: “Presenteie-se” leia: “Claro que vale a pena, você merece. Dê esse presente para você mesmo…olha o que nós estamos fazendo por você com esse valor ridículo de tão baixo”

Depois que eles conseguem minha atenção e eu já abri o e-mail, curioso para saber se eu realmente mereço, eles concluem com chave de ouro dentro do e-mail, dizendo: “Seja feliz” leia: “Pare de se chatear com aquelas propagandas chatas e SEJA FELIZ de uma vez!!!”

“É claro! Vocês tem razão… obrigado por me enviarem esse e-mail :)” – concluo!

spotify 3

Eu, particularmente, considero esse exemplo demais!

E eles certamente não teriam os mais de 20 milhões – sim, eu disse milhões – de clientes PAGOS que eles têm hoje, se enviassem e-mails com os típicos títulos de promoção.

Há um outro estudo de caso bem interessante também sobre um aplicativo que controla as finanças pelo celular, ligado diretamente ao banco, que capta diversos novos usuários que – assim como eu – ficam com certo receio de associá-lo com as contas do banco logo com o primeiro e-mail, devido ao seu ótimo título:

“Entenda a segurança do APLICATIVO X”

Mas esse estudo de caso fica para um outro post.

A segunda dica é:

2 – Inspire-se

Parece ridículo isso, eu sei. Meio clichê, né?! Acredite. Às vezes me falta criatividade, mas basta uma ida até a banca de jornal para minha cabeça começar a fervilhar de títulos para e-mail.

Na verdade, hoje eu não vou mais na banca, apesar de jornais (daqueles bem baratos, tipo 0,25 centavos) e revistas como Men’s Health terem ótimas headlines.

No entanto, especialmente se você já faz isso, o que eu vou lhe mostrar agora deixa qualquer Men’s Health no chinelo…

Você conhece a National Enquirer?

Não??? Então, é com prazer que eu lhe apresento uma das revistas mais sensacionalistas que você irá ver nos próximos anos.

Com uma rápida busca no Google por National Enquirer, veja só o que encontramos:

national enquirer

Haha!

Escolha qualquer uma das capas e perceba a curiosidade que gera em sua cabeça.

E eu estou lhe desafiando a fazer isso agora…

Mesmo que você não goste de fofocas ou não ligue para o que acontece na vida dos artistas esses títulos são demais.

Na realidade o que mais me chama atenção, além dos títulos, é a maneira como eles associam o título com a mensagem que está no meio da revista, que será o nosso próximo assunto: os Ganchos (hooks).

Mas, antes de falar sobre os ganchos e como você pode fazê-los, deixe-me contar como essas revistas são vendidas nos EUA.

Elas são aquelas revistas baratinhas que ficam nas prateleiras perto dos balcões de supermercado, onde as pessoas ficam paradas esperando com os carrinhos.

E os donos da revista perceberam que eles tinham apenas 8 segundos para chamar a atenção das pessoas e fazerem elas colocarem a revista dentro do carrinho de compras.

Pense: a pessoa está na fila do supermercado, vê um super título em uma revista, morre de curiosidade e tem que andar porque a pessoa que está na frente dela já saiu do caixa… o que ela faz?

Coloca a revista no carrinho para ler depois.

Incrível, não?!

8 segundos para um decisão através de uma headline!

Para finalizar esse artigo gostaria de falar dos ganchos, também conhecido como Hooks.

3 – Ganchos

Entenda por gancho alguma coisa muito curiosa que está no meio do seu e-mail e pode ser usado no título e que, na verdade, é até um pouco desconexo.

Como assim?

Por exemplo, há algum tempo fui escrever um e-mail para vender um produto que ensinava as pessoas a investirem em dólar.

Naquele dia eu havia ido até uma padaria e ouvi duas pessoas conversando sobre a crise, como o dólar está aumentando e o medo que elas tinham de perder o emprego.

E, então, eu tive a ideia de um gancho que, naquele dia, me rendeu R$3.000,00 com a venda daquele curso.

Eu escrevi um e-mail com o seguinte título: “O que 3 pães e uma ida à padaria me ensinaram sobre investir em dólar”

No e-mail eu contava a história – e eu realmente havia ido até a padaria comprar 3 pães – a conversa que eu havia escutado e no final eu ligava isso ao curso…

Sobre como algumas pessoas reclamam da crise e ficam com medo da alta do dólar, enquanto outras acham isso bom porque sabem como investir.

(Eu realmente resumi bastante o meu e-mail, mas eu acho que você entendeu a essência)

R$3.000,00 – nada mal para uma ida à padaria e um disparo de e-mail, concorda?!

Bem, esse é um bom exemplo do que eu chamo de gancho.

Algo aparentemente desconexo que você mostra, que faz todo o sentido com o seu contexto e com o contexto do que você quer que a pessoa faça ou entenda.

Talvez você já deva saber, mas caso não, a Webliv possuí um curso sobre Copywriting, que ensina a melhorar headlines de Squeeze page, títulos de e-mail e cartas de vendas, entre outras coisas.

Muitas pessoas que já adquiriram o curso já obtiveram resultados, veja o que eles estão falando e os resultados que eles já conseguiram:

COPYSAMURAI 02

 

 

COPYSAMURAI 03

 

COPYSAMURAI 04

 

 

Para finalizar, mais duas dicas rápidas: escreva títulos com menos de 65 caracteres (e isso vai depender bastante do seu autorresponder, porque eu já vi instruções diferentes em outros serviços de e-mail marketing).

O melhor mesmo é você buscar nas “configurações” do seu serviço e descobrir qual o tamanho do título máximo para que isso não interfira na sua taxa de entrega.

A segunda dica, que você certamente já ouviu e que eu sou obrigado a repetir é: TESTE!!!

É engraçado, mas parece que as pessoas têm algum problema com testes… Ninguém testa!!!

E por isso eu estou fazendo questão de repetir isso.

Não sou eu e nem você quem decide um bom título…quem decide é o mercado e ponto!

Sendo assim, faça testes!!!

Espero que esse artigo tenha te ajudado! Não deixe comentar aqui embaixo o quanto você gostou de ler tudo isso hoje e quais sacadas teve…

Abraços e até a próxima!