Skip to main content

Por Que Grandes Líderes Fracassam no Sucesso

Você provavelmente já os viu em capas das principais revistas de negócios. Já deve ter lido diversas matérias e artigos sobre suas lideranças inovadoras, brilhantes e até mesmo inspiradoras. Já viu e ouviu diversas pessoas elogiarem as empresas que comandam como exemplos a serem seguidos.

Depois de alguns anos, ou até mesmo meses, de muitos elogios, as empresas desses líderes simplesmente começam a (perder força ou/e) falir. Núcleos são dissolvidos, setores fechados e funcionários começam a ser dispensados (os famosos cortes).

E você fica se perguntando: “Como isso aconteceu? Como líderes conseguem impactar tais impérios a ponto de fazê-los cair tão rápido? Como evitar que isso aconteça novamente?”.

Você chega a pensar que poderia ser o mercado que não vai bem ou que algum fator de crise econômica afetou diretamente aquela empresa e o mercado no qual ela atua. Mas já parou pra pensar que isso pode ter sido má administração do líder, erro de postura de grandes executivos ou apenas alguma escolha errada de quem comanda esses negócios? Não só economicamente falando, mas também no quesito de gerenciamento de pessoas.

Para os administradores, muitas das qualidades que aspiramos seguir e nos sentimos culpados por não possuir, acabaram sendo aquelas que seria melhor se não as tivéssemos. E para aqueles de nós simplesmente fascinados pelo mundo dos negócios, em parte porque os líderes e executivos que administram as organizações parecem estar muito afastados (muito superiores?) do resto de nós (notoriedade e fama?), acabou por revelar que eles tem as mesmas fraquezas e defeitos de caráter, e que cometem os mesmos tipos de erros, embora talvez em escala muito maior, do que os que costumamos cometer.

  1. Preferir não conviver com inovações e mudanças

As empresas que foram bem-sucedidas no passado, quase sempre deixaram que seu histórico e sua cultura assumissem o poder, uma combinação que fecha as portas para novas ideias e estagna a empresa para.

  1. Execução brilhante de uma ideia errada –

Uma das melhores idéias que surgiram do manual de 1990 de estratégia do guru foi a noção de intenção estratégica. A idéia é suficientemente simples. Enfocar uma meta clara e forte que defina o que uma vitória significaria para sua empresa.

Direcionar todos os recursos para aquele objetivo e nunca vacilar em sua determinação de atingi-lo. Em princípio, a intenção estratégica é uma idéia de grande força. Na prática, bem … alguém sempre aparece no meio do caminho.

O que pareceria ser uma intenção lógica, quase sempre desmorona quando os executivos se deixam levar pela falácia de “uma grande idéia”, sem se preocupar com os limites naturais e práticos da lógica.

  1. A arrogância do executivo

Muitos dos executivos cujos negócios aparecem em destaque não são somente arrogantes – têm orgulho de sê-lo. Os que negociaram com a General Motors e com a IBM em seus dias de glória irão se lembrar vividamente da atitude de magnanimidade que caracterizava essas empresas quando em contato com pessoas que não estavam em seu nível. A Daimler-Benz teve a mesma reputação em época mais recente.

Fonte: RH.com.br